Em meio à pandemia, Brasil eleva compras de trigo, fertilizantes e bens para indústria de transformação

Em meio à crise gerada pela pandemia de Covid-19, que vem levando países em todo mundo a tomar medidas como o isolamento social, a balança comercial brasileira registrou aumento em importações em alguns setores em abril. O Brasil comprou mais do exterior produtos como equipamentos e acessórios sanitários, animais vivos, tubos, canos e mangueiras, trigo, carvão, fertilizantes e adubos, torneiras, polímeros de etileno, geradores elétricos, entre outros.

Até a terceira semana deste mês, o Brasil importou ao dia uma média de 609 mil toneladas. O número é 12% maior do que no mesmo período de 2019. Já em relação ao valor, houve queda de 10% na mesma comparação, com US$ 582 milhões. Os dados foram divulgados pela Secretaria de Comércio Exterior (Secex) do Ministério da Economia.

Até agora, o setor da agropecuária foi o que mais elevou suas importações neste mês. A média diária de volume de compra foi de 63 mil toneladas, com crescimento foi de 36%, em relação a abril de 2019. Cresceram as compras de cevada não moída em 278% em volume. Outro destaque foi  ‘Animais vivos, não incluído pescados ou crustáceos’, que teve compras elevadas em 456% em volume.

Produtos da indústria de transformação também tiveram mais importação. Eles são os grandes responsáveis pela importação brasileira.  O crescimento foi de 7% % no acumulado de abril, mas a receita foi menor. Um dos itens que mais elevou suas importações foram os tubos, canos e mangueiras, e seus acessórios, de matérias plásticas.  O Brasil comprou mais no exterior, neste segmento, também equipamentos e acessórios sanitários, de canalização e aquecimento.

(*) Com informações da ANBA

Por

 Equipe Comex do Brasil


‹ Anterior Próxima ›

© 2020 CeA Negócios Internacionais